Meu Perfil
BRASIL, Nordeste, RECIFE, Homem, de 36 a 45 anos, Esportes, Esportes de aventura



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Maratonista Pernambucano - Meu BLOG
 Corredores do Recife
 Yara Achoa - SP
 Márcio Santana - PE
 Rodolfo Lucena - SP (MM #370)
 Jorge Maratonista - RJ
 Harry Thomas -SP
 Walter Barbosa - SP
 Bruno Thomaz - RS
 Clênio Cordeiro - PE
 Paulo Massa - RJ
 Mayumi Edna - SP
 Stephanie Perrone - RS
 Gentil Jorge - SP (MM #1212)
 Ricardo Hoffmann - RJ
 Miguel Delgado - MG
 Guilherme Mayo - SP
 João Gabbardo - RS (MM #1131)
 Carlos Hideaki - SP (MM #1024)
 Alberto Peixoto - SP
 Edilson Bilu - PE
 Ésio Cusino -PE (MM#1635)
 Gustavo e Karla -PB
 Fabiana -SP




UOL

 
Diário de um futuro ultramaratonista


Corrida das Pontes

Frase do dia:

"A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste." [ John Ruskin ]

Domingo será um dia de festa para os corredores aqui do Recife.

Na minha opinião a corrida mais organizada e com o maior número de participantes. No ano passado fiz um tempo de 44 minutos, e este ano, mesmo focando o treinamento para as maratonas, espero diminuir este tempo para uns 42 minutos.

O percurso é plano e muito bonito, passando pelas principais pontes do centro histórico do Recife:

Algumas pontes e um pouco da sua história:

Ponte Maurício de Nassau:

BondenaPonteMaurciodeNassau5.jpg image by Alfenim 

Denominada ponte do Recife até o ano de 1865, liga o bairro de Santo Antônio ao bairro do Recife antigo.

Foi a primeira ponte de madeira construída sobre o rio Capibaribe, e a primeira ponte de grande porte no Brasil, inaugurada em 28 de fevereiro de 1643, sob a administração do príncipe holandês Maurício de Nassau. Na ocasião do evento foi realizada uma grande festa, cujo episódio mais importante foi a história do boi voador, que marcou a história da cidade Maurícia.

Nas suas cabeceiras existiam dois arcos, um do lado do bairro do Recife, denominado arco da Conceição, e outro do lado oposto chamado arco de Santo Antônio.

Sua estrutura possuía uma parte levadiça que permitia a passagem de embarcações, através do pagamento de pedágio, cuja cobrança ficava a cargo de companhia holandesa.

Esta ponte sofreu várias reformas e melhoramentos nos anos de 1683 e 1742, e em 1865 foi substituída por uma de ferro, que se chamou Ponte 7 de Setembro, mas teve pouca durabilidade, por conta da maresia e da rápida deterioração.

Em 1917, sob a administração do governo de Manoel Borba, foi reconstruída em concreto armado e reinaugurada com o nome Ponte Maurício de Nassau, que se encontra em bom estado de conservação até hoje.

Nas suas colunas laterais, existem quatro grandes estátuas de bronze, duas em cada extremidade da ponte, duas viradas para o bairro de Santo Antônio e duas para o bairro do Recife antigo, acompanhadas por duas placas comemorativas apostas pelo Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, onde se lê em uma delas, "na entrada desta ponte, a primeira feita no Brasil e levantada neste local por Maurício de Nassau, o fundador da cidade, existiu o arco da Conceição, com uma das portas que se fechava, edificada em 1645 e demolida em 1913, por exigência do trânsito."

Ponte Giratória:

A Ponte Giratória foi inaugurada no dia 5 de dezembro de 1923, ligando o Recife Antigo ao bairro de São José. Funcionou até a década de 70, quando foi substituída pela ponte atual, denominada de 12 de setembro, data que lembra o dia solene da inauguração das reformas do porto do Recife, em 1918, quando o paquete São Paulo, do Lloyd Brasileiro, atracou no cais do Armazém 9.
A Ponte era formada de três lances: dois fixos e um que girava. Este último deixava, ao girar, duas passagens para o trânsito marítimo – quando se dizia que a ponte estava “aberta”.  Foi instalada uma sirena, que soava alto antes da ponte girar, e as suas cabeceiras eram barradas com correntes e avisos de alerta para evitar qualquer acidente. Quando, num giro, a ponte voltava a ser um todo inteiriço, permitia a passagem de trem pela faixa do meio, que era ferroviária e o tráfego de outros veículos e pedestres pelas laterais, quando então se dizia que a ponte estava “fechada”.

Com a implantação e a ampliação gradativa do sistema de transporte rodoviário no Estado o tráfego de embarcações foi diminuindo. A Ponte que fora construída em ferro, apresentou problemas na maquinaria e a função primeira da Ponte Giratória – dar passagem a grande número de barcaças que aportavam no porto do Recife – , aos poucos, caiu em desuso.

Ponte da Boa Vista:

Considerada a ponte mais típica e original do Recife, liga atualmente a rua Nova, no bairro de Sto. Antônio, à rua da Imperatriz, na Boa Vista. Sua origem é do tempo dos holandeses. Em 1640, o príncipe Maurício de Nassau mandou construir uma ponte por onde os moradores pudessem atravessar o Rio Capibaribe, do continente para a ilha de Santo Antônio, e desta para o Recife. Existem nas suas quatro pilastras de entrada, diversas inscrições que registram datas e fatos históricos relevantes de Pernambuco e do Brasil, como a invasão dos holandeses (1630); as Batalhas das Tabocas, de Casa Forte (1645) e dos Guararapes (1648-1649); a restauração de Pernambuco (1654); a Guerra dos Mascates (1710); a Revolução de 1817; a Confederação do Equador (1824); a abdicação de Pedro I e início do reinado de Pedro II (1831).
Parcialmente destruída pelas enchentes do rio Capibaribe em 1965 e 1966, a ponte da Boa Vista foi restaurada, em 1967, na gestão do então prefeito Augusto Lucena.
Ponte do Limoeiro:
Sobre o rio Beberibe, a Ponte do Limoeiro une o bairro do Brum ao de Santo Amaro, e a rua Cais do Apolo à Av. Norte.

A primeira ponte erguida neste local era de metal, possuindo apenas os trilhos nos dormentes. Não havia passagem para pedestres. Fora construída em 1881 para dar passagem aos trens de uma estrada de ferro, a chamada linha norte do Estado, explorada pela Great Western, que se destinava à cidade de Limoeiro.  O Governo Provincial, desde 1868,  previa muito lucro no transporte ferroviário do açúcar pernambucano entre o Recife e a cidade de Limoeiro, uma vez que, no percurso planejado, havia muitos engenhos e fazendas de gado.

Foi substituída por outra, construída em concreto pela Empresa Christian Nielsen, e inaugurada no dia 30 de julho de 1966 pelo Senador Pessoa de Queiroz, na administração do prefeito Augusto Lucena.

 

Linda vista aérea para animar quem ainda está pensando em participar e deixar com "inveja" aos amigos corredores de todo o Brasil que ainda não conhecem as belezas do Recife:

 



Escrito por julio cordeiro às 21h26
[] [envie esta mensagem] []



Teste Ergoespirométrico

Frase do dia:

"Quem não estima a vida não a merece." [ Leonardo da Vinci ]

Teste Ergoespirométrico ??? Por que devo fazer este teste??? Para que ele serve???

 

Teste Ergoespirométrico - Saiba um pouco mais deste teste que o auxiliará na programação dos treinamentos e na avaliação do seu condicionamento físico!!!


Quem nunca assistiu em programas esportivos atletas correndo na esteira com uma máscara entre o nariz e a boca?

 Esta avaliação é conhecida como Teste Ergoespirométrico, onde é analisada de forma direta (sem o uso de equações matemáticas estimativas) a quantidade de Oxigênio inspirada e o quanto de gás carbônico foi eliminado do organismo.

A diferença entre os testes "Ergométrico” e "Ergoespirométrico” é que o primeiro é feito através de equações matemáticas já citadas acima, sendo assim uma forma indireta de avaliação.

Como um importante método para auxiliar na programação dos treinamentos e avaliar a evolução do condicionamento físico, o Teste Ergoespirométrico tem a função de avaliar, classificar o nível de aptidão física atual e o comportamento cardíaco frente ao esforço físico máximo do indivíduo, fornecendo dados como o Consumo Máximo de Oxigênio (VO2 Máximo), Limiares Aeróbio e Anaeróbio, Frequências Cardíacas e gasto calórico correspondentes, que são essenciais para aperfeiçoar o aproveitamento cardiovascular.

Com isso, vamos tentar entender as principais variáveis analisadas no Teste Ergoespirométrico.

1- Consumo Máximo de Oxigênio (VO2 Máximo)

Por definição, VO2 Máximo é a quantidade máxima de Oxigênio que o indivíduo consegue captar do ar, transportar pela circulação até os músculos para a realização do metabolismo.

Ele é representado pelo produto da Freqüência Cardíaca, do Volume Sistólico (volume de sangue bombeado pelo coração a cada contração dele) e da quantidade de oxigênio captada pelos músculos.

Como característica, o VO2 Máximo é determinado geneticamente pode ser modificado pelo treinamento. Entretanto, estes valores decrescem com o aumento da idade, fazendo com que a capacidade aeróbia diminua. Apenas com a realização de atividades predominantemente aeróbias (caminhada, corrida, ciclismo, natação remo, etc.), os valores do VO2 Máximo atrasam esta redução.

2- Limiares Aeróbio e Anaeróbio

Numa prova onde temos 2 atletas com o mesmo valor de VO2 Máximo (o que não é difícil de acontecer), como saberemos qual destes corredores será o vencedor?

A resposta certa é aquele que tiver valores dos Limiares Aeróbio e Anaeróbio maior, que fará com que ele trabalhe próximo aos valores do VO2 Máximo.

Então, vamos entender o significado de Limiar Aeróbio e de Limiar Anaeróbio:

Quando estamos parados ou caminhando lentamente, conseguimos captar bastante oxigênio e não nos sentimos ofegantes (isso porque a quantidade de um produto caracterizado pelo aumento da fadiga- conhecido como lactato- é baixa e consegue ser totalmente removida no sangue pelo pulmão, fígado e coração).

À medida que aumentamos a velocidade, a nossa capacidade de captar o oxigênio começa a diminuir e a concentração de lactato a aumentar.

Quando quantidade de lactato produzido pelo músculo é igual a quantidade de remoção dele, encontramos o Limiar Aeróbio (também conhecido como Limiar 1).

A partir do momento em que a produção do lactato for maior do que a sua remoção, atingimos o Limiar Anaeróbio (ou Limiar 2) e a fadiga começa a aparecer.

Para termos adaptações positivas com o treinamento aeróbio, a zona-alvo de treinamento deve ser entre as velocidades, valor de Freqüência Cardíaca e o gasto calórico dos Limiares Aeróbio e Anaeróbio.

Com isso, podemos dizer que uma pessoa sedentária atingirá os Valores do VO2 máximo e dos Limiares Aeróbio e Anaeróbio antes de uma pessoa ativa.

3- Conclusão

Se você quer melhorar o seu rendimento na Corrida, no Ciclismo ou na Natação, vale a pena investir na realização de um Teste Ergoespirométrico a cada 6 meses, uma vez que ele mostrará a você e ao treinador o seu atual condicionamento físico ("quem não deve, não teme!”) de uma maneira direta e com pouquíssima margem de erro. Com esta avaliação em mãos, é possível analisar como poderemos planejar seus futuros treinamentos e em que intensidades estes serão feitos para o seu objetivo ser atingido.

colaboração:

Prof Marco - Branca Esportes



Escrito por julio cordeiro às 08h12
[] [envie esta mensagem] []



3ºLongão Ecológico de Aldeia

Frase do dia:

"Nem palavras duras e olhares severos devem afugentar quem ama; as rosas têm espinhos e, no entanto, colhem-se." [ William Shakespeare ]

Sábado é dia de longão, mas eu ainda estou cansado das maratonas e fiz um "longuinho" de 15 kms no longão ecológico de Aldeia.

Corri com a camisa dos Baleias, presente de Miguel Delgado das Minas Gerais.

A turma fez 24 kms e alguns fominhas como Lula, Flávio,Paulo e Jacque, queriam mais... Já meu mano Clode, prestes a correr sua 1ª maratona no Rio, chiou um pouquinho.

Depois o já tradicional banho super frio na piscina de água mineral:



Escrito por julio cordeiro às 14h32
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]